Notícias

Uma caminhada em defesa dos direitos da sociedade
03/01/2021

Compartilhe:
Jair Poletto Lopes

Desde sua infância a vida se mostrou desafiadora para o advogado, que transformou sua origem simples e as dificuldades da juventude, no trabalho e formação profissional, em combustível na militância pelas causas que defende, tanto no judiciário, quanto na construção de uma sociedade mais justa.

Em entrevista comemorativa aos 26 anos de carreira, Jair Poletto Lopes relata passagens da sua história e transformações na área do direito, que com orgulho pôde vivenciar no decorrer desse tempo.

?

Os caminhos do advogado

?

No exercício da advocacia é preciso ser artista, ter coragem, disposição, abnegação e muito amor à profissão.

Conforme explica Jair, o talento mais importante para um Advogado é ouvir o cliente com todas as suas angústias e necessidades e aplicar a sua ciência e o direito como instrumento da realização da justiça, transformando aquele drama humano numa petição inicial, dando origem a um processo. “Uma defesa ou uma petição é na verdade uma obra de arte, forjada em um drama ou necessidade humana, assemelhando-se ao trabalho de um Escultor que ao deparar-se com uma rocha, nela antevê a oportunidade de transforma-la, o fazendo com seu talento entregando ao público sua criação”.

A busca pela perfeição na sua profissão, que muito se assemelha a de um artista, o acompanha desde a infância. Por conta da origem simples da família, na época Jair foi o único dos irmãos a continuar seus estudos. Após concluir o ensino fundamental no interior, se mudou para a cidade, para dar continuidade à sua formação. Ao mesmo tempo, começou a trabalhar no antigo Frigorífico Borella, atual BRF, com apenas quinze anos de idade.

Sem condições financeiras para se inserir no meio acadêmico logo que concluiu o segundo grau, foram oito anos até dar início a graduação. Foi nesse intervalo de tempo, que Jair teve experiência de conhecer as dificuldades sofridas pelos trabalhadores do chamado chão de fábrica.

Ter estado na indústria, certamente conduziu sua carreira no direito a um caminho peculiar. Cursou a Faculdade enquanto operário e representante sindical. “Foi aí que comecei a militar, fui presidente da SERB – Sociedade Esportiva e Recreativa Borella, participei do Sindicato da Alimentação de Marau, onde promovemos jornadas, passeata e outras grandes ações e conseguimos melhorar a legislação trabalhista e previdenciária, a qual foi desconstruída nos últimos cinco anos”. Após formado, aos 31 anos, aliou a experiência ao conhecimento e passou a dedicar-se ao direito trabalhista e previdenciário, dando início ao seu próprio escritório, em 1994, e, iniciando nas assessorias sindicais.

Jair recorda que abrir um escritório de advocacia há 26 anos era um grande desafio. “Naquela época sobressaiam-se os advogados de famílias tradicionais, mas desde que me formei decidi trabalhar por conta, e mantive a filosofia com que conduzi minha vida pessoal e profissional até aqui. Creio que por isso me destaquei e construí uma marca, pelo valor do meu trabalho, meus colaboradores e clientes”.

A oportunidade de transformar a vida das pessoas, através do exercício do direito e promoção da justiça é o que mais gratifica e apaixona, explica Jair. Em função do seu interesse pelo direito público, ele também trabalhou diversas vezes com assessoria para os Poderes Legislativo e Executivo. Por duas oportunidades foi vereador em Marau, a primeira vez de 1993 – 1996, antes de ser advogado e mais tarde, de 2005 – 2008, quando decidiu retornar à política, agora como Pós-Graduado em Direito Público Municipal, para ajudar a modernizar a legislação municipal, sendo relator da reforma do Regimento Interno da Câmara de Vereadores, da Lei Orgânica Municipal, do Regime Jurídico Único e do Plano Diretor, entre outros projetos de sua autoria que hoje são leis municipais.

Para se manter fiel a sua filosofia, sua militância sindical e política, o Advogado precisou renunciar a carreira de Juiz do Trabalho, sendo o primeiro pela nomeação como Juiz Classista representando os Trabalhadores, após nomeação do então Presidente do TRT4, José Luiz Ferreira Prunes, quando no exercício do primeiro mandato. O segundo, por Concurso Público, pois na etapa final precisava apresentar desfiliação partidária, o que não aceitou, preferindo concluir o segundo mandato. “Oportunidades, sou militante de uma causa, de uma filosofia de vida, o que já não cabe em qualquer partido político”, explicou.

Jair falou também sobre seu casamento com Maria Luciana Tonial, sua ex-mulher e atual colega de profissão, que foi indispensável para que se mantivesse nesse caminho onde alcançou mais sucesso. “Ela foi parte da estrutura que me transformou em quem sou, como pessoa e também profissional. Hoje é uma excelente advogada, alçando seu próprio vôo, em outras áreas do direito, situação que me deixa muito feliz e completamente realizado por ter mostrado a ela a importância e o orgulho da profissão”.

Outras coisas que são motivos de realização para o advogado, “é colocar a cabeça no travesseiro à noite sabendo que a justiça foi cumprida, com parcela de sua contribuição, andar na rua e se deparar com tantas pessoas, clientes que foram atendidos e a eles garantido o direito, pois o escritório tem excelentes resultados positivos na ampla maioria das ações que defende, além de ter saúde e oportunidade para atuar de forma voluntária para diversas entidades, contribuindo com sua ciência e sua arte” - finaliza.

Galeria de fotos