Notícias

Fabio Vicenzi no parlamento italiano
22/02/2018

Compartilhe:
Política

O candidato a deputado, Fabio Vicenzi, esteve em Marau no dia 16 de fevereiro, com o intuito de colocar seu nome à disposição dos eleitores com dupla cidadania, que participam das eleições da Itália. Ele foi recebido por uma comitiva e autoridades municipais, na sede da ACIM. Vicenzi também esteve visitando a imprensa local, para explicar um pouco mais sobre as eleições que acontecem no próximo dia 04 de março.

Fabio Vicenzi é natural de São José do Ouro, uma pequena cidade localizada ao norte do Rio Grande do Sul. Na sua infância morou em Santa Maria, Farroupilha e Caxias do Sul, cidades da serra, centro da imigração italiana no Brasil. Bisneto de agricultores imigrantes vindos da Itália, ele carrega no sangue o sentimento de pertencimento à pátria e orgulho de suas origens. Nascido em 1971, atualmente atua como advogado, na área do direito internacional, é casado e pai de duas meninas.

Escolheu Caxias do Sul para morar com a família e criar nesta cidade suas filhas, mas concentra sua atividade profissional principal entre São Paulo e Roma e divide-se também entre capitais de vários estados brasileiros. Candidato a deputado ao Parlamento Italiano pelo Partido Democrático, Fabio diz que sua candidatura é um reflexo de alguém que divide o coração entre o Brasil e a Itália e, por isso, veio a Marau para conversar sobre a importância de os descendentes de italianos terem alguém que os represente na Itália. “Nós somos frutos dessa imigração italiana. Nós só vamos estar mais próximos da Itália se elegermos pessoas que estejam comprometidos com a nossa realidade”. Entre as propostas, Vicenzi defende a isonomia entre cidadãos italianos residentes na Itália e aqueles residentes no estrangeiro, tudo de acordo com art. 3º. da Constituição Italiana.

A votação acontece no dia 04 de março e elegerá cinco deputados e dois senadores na América do Sul. Todo cidadão italiano tem direito ao voto no exterior garantido pela Constituição. A votação é facultativa e para os italianos, nascidos ou não na Itália e residentes na América do Sul, acontece via correspondência, através dos Correios. O procedimento de voto é simples, mas exige atenção no preenchimento das cédulas de votação que foram enviadas às residências dos eleitores pelos Consulados Gerais.