Notícias

Shobu-kan: há 30 anos formando cidadãos e atletas
22/02/2018

Compartilhe:
Por uma Marau melhor

Juarez da Silva tem 45 anos. Desses, 35 são de dedicação ao karatê. Natural de Laranjeiras do Sul, quando se mudou para Marau lutou para construir uma escola de artes marciais. E conseguiu. Em 2018, a Shobu-kan completa 30 anos desde a sua fundação e conta, hoje, com quase 500 alunos, divididos entre quatro núcleos: o Projeto Mais Educação, a Escola Shobu-Kan Karatê-Do, o Projeto AABB Comunidade e a Associação Beneficente São Francisco de Assis.

Ele lembra que, na época, a cidade tinha uma certa resistência em relação às artes marciais. “Tem toda uma história de quando introduzimos o karatê em Marau, no ano de 1988. Tivemos inúmeras dificuldades e sofremos uma certa discriminação porque uma pessoa ligada às artes marciais era vista de uma forma diferente, desocupada, alguém que geraria violência”, relembra. Ele conta que os primeiros anos foram difíceis. “Tivemos uma dificuldade muito grande, um trabalho muito árduo. Não foram de três, quatro anos, foi acima de dez anos para quebrarmos esses paradigmas em relação a sociedade”.

Passadas três décadas, Juarez diz que sente muito orgulho de ver que o karatê cativa cada vez mais pessoas. “A arte marcial é caminho, qualidade e filosofia de vida. Hoje, a Shobu-Kan é mais que ensinar o esporte, ela conduz os alunos e o trabalho social que é feito em torno do karatê”, frisa. O trabalho da academia foca em dois pilares principais: a educação e formação. “As artes marciais estão relacionadas à luta, defesa, qualidade de vida, esporte, competição, mas, antes de tudo, não temos como desarticular a educação e a formação do ser humano”.

Além de Juarez, que é professor por formação, a Shobou-Kan conta com o apoio dos atletas Kauane Sgarbi, Frank Manera e Douglas Albano. “Eles são resultado de um projeto que iniciou há 13 anos, junto a AABB Comunidade. Hoje são faixa preta, trabalham com o karatê e estão estudando na área de educação”, comenta. Sua esposa, Michele Andreatta, que é faixa preta, também trabalha na Escola e auxilia na parte administrativa. A Shobu-Kan está inserida junto ao Governo Municipal de Marau e recebe recursos há 16 anos. “Duas vezes fomos elogiados pelo Tribunal de Contas pela forma da nossa gestão e do nosso trabalho”, diz Juarez.

Para a metade deste ano, o objetivo da academia é oficializar um projeto junto à escola Darwin Marosin, situada no bairro Frei Adelar, para atender mais de 100 crianças dos bairros daquela região. Além disso, Juarez diz que 2018 é um ano de viagens. “Este ano estamos com a agenda cheia. Essas experiências dão uma bagagem e uma qualidade técnica muito grande. Vivemos uma era de ouro e estamos cada vez mais nos qualificando para obtermos resultados cada vez mais positivos”, finaliza.

Com o exemplo da atuação da Escola Shobu-kan é evidente que o karatê resulta cidadãos melhores na sociedade. “Eu não me canso de dizer: temos que nos preocupar com o legado que estamos deixando na comunidade”, conclui Juarez.