Notícias

Combate às Hepatites
27/07/2018

Compartilhe:
Saúde

As Hepatites são doenças silenciosas, porém cerca de três milhões de brasileiros devem estar infectados pela hepatite C e não possuem conhecimento de que portam o vírus. Elas se diferenciam por: A, B, C, alcóolica, medicamentosa e autoimune, que acometem a população, afetando o fígado, comprometendo seu funcionamento e aumentando o risco de aparecimento de cirrose, câncer e outras doenças. A Organização Mundial da Saúde estima que no mundo existam mais de 400 milhões de pessoas infectadas pelos vírus B e C, os de maior incidência na população.

O julho amarelo é o mês de combate às hepatites virais, ele tem como objetivo informar sobre o assunto, já que a falta de conhecimento sobre a doença ainda é o grande desafio. 28 de julho é o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, a data foi instituída pela Organização Pan-Americana da Saúde no ano de 2010 e visa a conscientização da prevenção, do diagnóstico e do tratamento das Hepatites Virais B e C.

Como se adquire? Como tratar? Será que eu tenho? Perguntas como estas são as dúvidas da população, que se coloca em risco pelo simples fato de não buscar mais informações e fazer com que a hepatite seja além de silenciosa, também uma doença silenciada.

Hoje em dia é possível realizar os exames de hepatites virais (anti HCV, HBSag e anti HBC) de forma gratuita na rede pública de saúde. Os resultados destes exames apontarão se o paciente é reagente ou não reagente para hepatite B ou C. Caso seja positivo, o mesmo será encaminhado para um médico gastroenterologista, que acompanhará o seu tratamento.

O tratamento pelo qual o portador do vírus deverá se submeter vai depender do resultado dos exames. Ele é gratuito e de alto índice de sucesso, cerca de 90%. Os medicamentos que farão parte do tratamento também não terão custo.

A transmissão da hepatite se dá por meio de: de mãe para filho durante a gestação ou o parto, consumo de água e alimentos contaminados, sexo desprotegido, compartilhamento de agulhas, lâminas (em sessões de depilação ou tatuagem, manicure e barbearia), escovas de dentes, uso de material cirúrgico contaminado e não-descartável e uso abusivo de álcool e medicamentos.

Conforme o Ministério da Saúde, a previsão é que até 2030 a hepatite seja uma doença erradicada em boa parte do mundo, inclusive no Brasil.