Notícias

Karina Migliorini
26/10/2018

Compartilhe:
A marauense que está conquistando o Brasil com sua confeitaria

Desconhecer o caminho que será percorrido não quer dizer que ele não será conquistado rapidamente ou que ao passar por ele não se alcem voos altos e nem tão pouco se depare durante o percurso com a felicidade e a realização. Foi exatamente isso tudo que aconteceu na vida da Chef Pâtissier Karina Migliorini, desde que ela decidiu largar sua profissão anterior, na área da psicologia, e dedicar-se a gastronomia. Foi tão rápido quanto intenso, em apenas cinco anos ela se tornou uma das melhores profissionais da confeitaria brasileira.

Essa história está sendo escrita com muita coragem e dedicação pela sua personagem, uma confeiteira apaixonada pela sua arte e que usa todo seu talento para alegrar e ajudar as pessoas. Karina Migliorini é uma dessas mulheres que tem autoridade sobre o seu destino e que conseguiu aos 35 anos de idade mudar o rumo da sua vida e encontrar ainda mais satisfação em sua nova profissão.

Como psicóloga, morando e atuando em Porto Alegre – RS há dez anos, ela havia conquistado um lugar de destaque em sua carreira e estava à frente do departamento de recursos humanos de uma grande empresa, quando a gastronomia chamou sua atenção.

Karina deu o primeiro passo em sua nova caminhada quando foi para São Paulo participar de um curso na escola do Chef Diego Lozano, um dos melhores do país, durante uma semana. Estes poucos dias serviram para que ela retornasse para casa completamente apaixonada pela confeitaria francesa e estivesse decidida a largar tudo que havia conquistado, por novos desafios, novas paixões e sabores.

Após pedir demissão ela retornou para São Paulo, dessa vez para fixar residência, estudar e trabalhar. Foi sua grande imersão no mundo da confeitaria, durante um mês e meio estudou manhã, tarde e noite, acabando com sua vida social, até que recebeu o convite mais especial e o grande divisor de águas da sua carreira, trabalhar na escola do Chef Diego Lozano, com que aprendeu a base de todo seu conhecimento.

“Eu fiz o caminho inverno da maioria, quando recém havia optado pela confeitaria já comecei a trabalhar com ela, ao lado de um dos melhores Chefs Confeiteiros e “Chocolatier” do país, o que deu muita ascensão para minha carreira”- conta Karina, que foi descoberta como um talento, e logo passou a dar aulas e trabalhar com desenvolvimento de produtos dentro da Escola onde estava. Em outubro de 2015 participou como auxiliar do Chef Lozano do Campeonato Mundial de Chocolate em Paris, na França – “Foi uma oportunidade única, fiquei 28 dias junto dos melhores confeiteiros do mundo, treinando e nos preparando para o campeonato”- recorda com emoção.

Os próximos capítulos dessa história seriam de muitas alegrias e de recompensa. Logo após iniciar sua nova carreira já foram surgindo convites para participar de programas de televisão, entre eles do reality Que Seja Doce, do canal GNT. Em sua participação na primeira temporada do programa, Karina conquistou a vitória com sobremesas com pimenta e especiarias, tema daquele episódio. Seu nome e sua receita ficaram registrados no livro Que Seja Doce que até hoje é comercializado nas livrarias de todo o país.

Após essa grande oportunidade sua carreira ascendeu ainda mais e seu talento foi sedo cada vez mais reconhecido. Hoje, entre muitas viagens, ela voltou a morar na cidade de Marau. “Decidi voltar para Marau em 2016 e aqui montei uma super cozinha para realizar os cursos de confeitaria, onde recebo alunos de todo o estado. Também viajo bastante para dar cursos, principalmente no Rio de Janeiro e faço treinamentos e consultorias em diversas cidades do Brasil” – explicou a confeiteira.

Contando um pouco dessa história, que ainda reserva muitos capítulos pela frente, percebemos que essa personagem conquistou tudo aquilo com que se comprometeu, os seus sonhos e sua paixão, compartilhado seu talento com o país, enquanto renova as forças de suas raízes em casa, ao lado de sua mãe e da família. Que esta jornada sirva de inspiração a todos que ainda não tiveram a coragem para ir em busca da sua própria felicidade.